<script type="text/javascript">

  var _gaq = _gaq || [];
  _gaq.push(['_setAccount', 'UA-36321726-1']);
  _gaq.push(['_setDomainName', 'comlu.com']);
  _gaq.push(['_setAllowLinker', true]);
  _gaq.push(['_trackPageview']);

  (function() {
    var ga = document.createElement('script'); ga.type = 'text/javascript'; ga.async = true;
    ga.src = ('https:' == document.location.protocol ? 'https://ssl' : 'http://www') + '.google-analytics.com/ga.js';
    var s = document.getElementsByTagName('script')[0]; s.parentNode.insertBefore(ga, s);
  })();

</script>
A palavra massagem é derivada do grego massein, que quer dizer "amassar".
No entanto, podem encontrar-se na literatura diversas definições de vários autores, que conceituam massagem como um termo comum para a manipulação do corpo, principalmente pelas mãos, apesar de divergirem quanto aos seus objetivos e aplicações.

A saúde pelo toque
O toque aproxima os indivíduos, firma compromissos e é uma forma de
comunicação e estreitamento dos relacionamentos humanos.
A massagem busca resgatar o toque, o contato físico, a troca energética
que se estabelece entre terapeuta e paciente.
A massagem pode ser definida como um procedimento mecânico-manual
aplicado ao corpo para o tratamento de diversos tipos de disfunções.
Entre muitas outras funções, ela trabalha o relaxamento muscular e é
por este motivo que as pessoas a procuram para realizar um tratamento.
Pode melhorar a imunidade, acalmar, resolver edemas, reduzir o stress e
libertar endorfinas.
Segundo Schneider (1995, p. 151): "massagem é uma boa ocasião,
um belo presente, um gesto de amor e um instrumento de cura.
Pode tornar todas as outras práticas de saúde - nutrição, exercício,
mesmo a psicoterapia - mais eficazes".

Referência: SCHNEIDER, M. O manual de autocura: método self-healing.
Meir Schneider e Maureen Larkin com Dror Schneider. São Paulo: Triom, 1995.

Google